A denúncia inepta da Lava Jato

Resultado de imagem para lula vitorioso

Por Luis Nassif, no Jornal GGN:

O rebaixamento do Brasil para a segunda divisão das democracias ocidentais teve três momentos significativos: a votação da admissibilidade na Câmara, com aquela malta aos berros invocando o nome do pai e da mãe; a performance de Janaina Cabral no comício do Largo São Francisco; e o jovem procurador gaguejante, armado de um Power Point capenga, conduzindo um discurso tatibitate naquele que deveria ser o grande desfecho da mais massacrante campanha já movida contra uma pessoa no país.

Foi como se todo o edifício de marketing erigido em torno da Lava Jato desmoronasse de uma vez.

Até agora era ensaio e jogo para a plateia. O jogo de verdade começou ontem. E, ali, não houve marketing que resolvesse.

O dia começou com as críticas à parcialidade do Procurador Geral da República (PGR) Rodrigo Janot, culminando com uma Carta Aberta de seu ex-melhor amigo, procurador Eugênio Aragão. E terminou com um palco iluminado, com os olhos do país sobre a Lava Jato, para que procuradores provincianos, armados com todos os recursos do marketing – prejudicado por um Power Point sofrível – se exibissem para a torcida durante 90 minutos, sem marcar um gol sequer.

O único chute, aliás, foi gol contra: a afirmação do procurador de que “não temos prova, mas temos convicção”. Que mereceu uma blague matadora: uma foto do helicóptero com os 400 quilos de cocaína e a frase “nós temos provas, mas não temos convicção”.

Depois de meses com o país aguardando em suspense o grande dia da apresentação da denúncia, a peça acusadora assemelha-se a um livro de ensino básico montado com a assessoria do Google. Descrevem os escândalos da Petrobras, o mensalão, o presidencialismo de coalizão, a história de José Dirceu no PT, em um “enrolation” sem par. E terminam com um duplo abuso.

O primeiro, de não terem apresentado uma prova sequer contra Lula. O segundo de, mesmo assim, terem alimentado os jornais de manchetes falsas por meses e meses, e, agora, oferecerem a denúncia, com uma peça que expõe o Ministério Público Federal à galhofa.

Com um texto paradidático para ensino fundamental, explicam o que é o presidencialismo de coalizão.

“Dentro do “presidencialismo de coalizão”, a formação da base aliada do Governo envolve três momentos típicos. Primeiro, a constituição da aliança eleitoral, que requer negociação em torno de diretivas programáticas mínimas, a serem observadas após a eventual vitória eleitoral. Segundo, a constituição do governo, no qual predomina a distribuição de cargos e compromissos relativos a um programa mínimo de governo. Finalmente, a transformação da aliança em coalizão efetivamente governante, momento em que emerge o problema da formulação da agenda real de políticas e das condições de sua implementação. Numa estrutura multipartidária, o sucesso das negociações, na direção de um acordo explícito entre o Poder Executivo e os integrantes do Poder Legislativo, que aprova as leis que concretizam o plano de governo, é decisivo para capacitar o sistema político a atender demandas políticas, sociais e econômicas”.

Fantástico! Entenderam o que o presidencialismo de coalizão!

Mas o de Lula é diferente.


“No entanto, de forma contrária, em vez de buscar apoio político por intermédio do alinhamento ideológico, LULA comandou a formação de um esquema criminoso de desvio de recursos públicos destinados a comprar apoio parlamentar de outros políticos e partidos, enriquecer ilicitamente os envolvidos e financiar caras campanhas eleitorais do PT em prol de uma permanência no poder assentada em recursos públicos desviados”.

Antes do Lula os partidos queriam cargos para fazer o bem comum, procurar o bem e a caridade e pagar dízimo para a Igreja.

Mais: descobriram novidades fantásticas! Que além de construir a governabilidade, Lula “objetivou também a perpetuação no poder do próprio partido”. Alvíssaras! No seu curso de Ciências Políticas por correspondência, os doutos procuradores de Curitiba descobriram que os partidos políticos lutam para se perpetuar no poder.

Em um trecho, desenvolvem a tese da caixa única centralizada, como se fosse peça central para fechar o raciocínio em torno da tal organização criminosa. “Considerando que o dinheiro é um bem fungível, e tendo em vista que os recursos ilícitos de cada uma das empreiteiras revertia para o mesmo caixa geral de cada partido, os valores desviados de diferentes fontes nesse caixa se misturavam”, uma maneira douta e erudita de dizer que os partidos recebiam propinas de diversas frentes.

Na falta de provas, recheiam a acusação com uma salada monumental, misturando acusações diversas, de escândalos e sub-escândalos já levantados, das mutretagens da André Barbosa com agências de publicidade, à Eletronorte, para atribuir tudo a Lula.

O leitor esperando as provas, e nada. Em cada capítulo repetem a história do apartamento tríplex – sem apresentar um dado sequer de que é ou era de Lula; e a guarda dos documentos presidenciais, bancada pela OAS.

É para isso que se quer as Dez Medidas. Para conferir um poder avassalador para procuradores sem discernimento, que sabem apenas jogar para a mídia.

Com esse espetáculo burlesco, os procuradores da Lava Jato facilitaram o trabalho dos que pretendem esvaziar sua atuação. Fizeram o mesmo que seus colegas portugueses com o ex-primeiro-ministro José Sócrates: montaram uma campanha sem provas para destruir a imagem política. Entregue o trabalho sujo, chegou a hora do Alto Comando enquadrá-los. E, nada melhor, do que a apresentação canhestra de procuradores imberbes e deslumbrados para facilitar o desmonte.

About Ladislau Leal

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário