A imprensa botou preço no golpe


Por João Paulo Cunha, no jornal Brasil de Fato:

Os jornais brasileiros – e em breve as revistas, TVs, rádios e blogs “limpos” – começam a receber a paga pelos serviços prestados. Ajudaram a planejar, divulgar, instigar e executar o golpe contra a democracia brasileira e, de quebra, a criar um clima de beligerância que divide a sociedade. Construíram ainda os alicerces do pensamento único, fecharam a porta para a diversidade e estabeleceram um padrão de julgamento ancorado em vazamentos seletivos e moralização judicial. Foi um serviço sujo, duradouro, pertinaz e, ao fim e ao cabo, bem-sucedido.

Mesmo com tanta dedicação, os capitães-do-mato não conseguiram ganhar em credibilidade, audiência ou importância social. A imprensa brasileira está quebrada no corpo e na alma. Os jornais estão à venda, e não é de hoje, e não encontram compradores nem aqui nem na China.

Em matéria de relevância na formação de uma opinião pública democrática, a condução editorial beligerante firmou entre nós a triste tradição de um “jornalismo de guerra” ou, o que é ainda pior, de um panfleto partidarizado. Os jornais hoje têm menos fatos que projetos para economia e a sociedade. O que define mais uma sigla partidária que um periódico.

Por isso a campanha que derramou hectolitros de tinta azul nos jornais nos últimos dias, com o provocativo e irresponsável lema que propõe “tirar o Brasil do vermelho”, não deve ser considerada pelo seu conteúdo, mas por sua presença material. Pela grana que pôs no combalido mercado da comunicação. Nenhum dos 14 pontos elencados interessa ao público, já que se trata apenas de traduzir o repisado chorrilho golpista no tatibitate publicitário. O que a propaganda traz de mais grave é seu preço na tabela cheia dos veículos e seu reforço ideológico destinado a confundir o leitor. E, para completar, o estímulo ao ódio e à divisão entre brasileiros.

Não é um acaso que a empreitada publicitária surja exatamente neste momento. Por um lado, marca o ponto mais baixo de aceitação do governo não eleito até agora; por outro, se antecipa à tática de encaminhamento da PEC 241, que corta investimentos em saúde e educação em nome do mercado financeiro e do rentismo internacional. Como uma espécie de discurso preventivo, ela prepara o terreno, como esterco pútrido, para que medre o caos. No entanto, sua consistência nem é tão econômica assim, haja vista sua planura. Trata-se de algo mais chinfrim, da ordem da contabilidade de balcão: quitar as dívidas pelo apoio ao golpe.

No mundo da imprensa séria há uma lei não escrita que serve como termômetro entre notícia e publicidade. A informação jornalística é de graça, não admite controle e vale muito em termos de credibilidade. Já a mensagem publicitária é cara, permite domínio absoluto do discurso, mas não gera confiança. No Brasil essa norma foi subvertida pela falta de independência da imprensa. O jornalismo passou a vender notícias, negociar apoio, oferecer opinião alinhada por meio do colunismo sabujo e se apresentar como intelectual orgânico dos interesses neoliberais. A publicidade chega agora para completar o pacote.

A campanha do governo usurpador, por isso, não vale pelo que diz, mas pela centimetragem que exibe – que é a régua que remunera os veículos de comunicação. Mede-se em centímetros a vassalagem. Seu valor não é informativo, mas monetário. O volume de publicidade do mesmo feitio deve aumentar e se tornar um método. Para cada projeto que ataque direitos ou que beneficie interesses privatistas e de desnacionalização da economia, a contrapartida estará expressa nas páginas dos jornais na forma de publicidade oficial. As pedaladas publicitárias estão contempladas no orçamento que corta saúde e educação para adoecer o cidadão com ignorância.

Os empresários do setor já devem estar programando a festa. Vem aí campanha em favor do projeto que esfacela o conteúdo crítico da educação; campanha pela reforma da Previdência; campanha pela entrega da riqueza nacional ao capital estrangeiro; campanha pelo fim da CLT; campanha pela terceirização de todas as atividades; campanha pela repressão aos movimentos sociais; campanha por um SUS pobre para pobre; campanha pela diminuição da maioridade penal. E por aí vai. Para dar mais uma prova de boa vontade, passaram a intensificar as demissões de jornalistas críticos em todas as editorias. Na lógica da imprensa de front, até o futebol precisa ser de direita.

A pauta conservadora vai custar caro ao governo e à sociedade. E vai encher as burras das empresas que quase faliram por conta da própria incompetência, agiram contra a democracia e estimularam o ódio entre os brasileiros. Preço acertado e primeira fatura paga, o resultado dessa contabilidade sórdida é um só: o golpe vai tirar a imprensa do vermelho.

About Ladislau Leal

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários :

Postar um comentário